5 de set de 2011

Eu não importo

Outro dia, eu estava fazendo aulas de direção. Pra tirar a tal carta de motorista...
O instrutor era meio bobão e folgado. E ainda por cima o cujo chamava Airton.

Estávamos fazendo uma aula e o telefone dele tocou:

- Alô? Oh, fulano! Tudo bem?
- Airton, entro a direita no próximo cruzamento? (eu)
- Entao, aí, eu falei pra ela que não queria mais sair, sabe?
- Airton, a rua... (eu)
- E ela me disse...
- Airton... Bom, deixa pra la, passou ja, vou reto. (eu)

Na próxima entrada...

- Airton e agora?
- Você acredita que ela me deixou esperando, rapaz? - isso já deram 30 minutos dele falando no celular com o amigo e eu andando igual uma idiota pela cidade.
- Airton, o caminho...

Andréa se irrita e para o carro.

- Ué, mas por que parou aqui?
- Estou esperando você terminar a conversa, Dona Cocotinha...

Ele ficou bravo.

- - - - - - -

Aí, na semana seguinte, eu estava fazendo massagem na 'firma'... Eles nos dão esse direito e eu acho muito digno, sabe?

Pois bem, o problema e que a massagista fala mais que o Homem da Cobra. Rapaz, ela fala mais que eu até, dá pra acreditar?

Bom, eu estava eu lá na cadeira de massagem, com a cabeça enfiada naquele buraco estranho.
Estava realmente curtindo aquele momento "só meu". Quando toca o celular da cuja.

Obviamente, ela foi falar mais do que o Homem da Cobra com a infeliz que ligou.

- Não, não, fulana. Não tô ocupada não...

O problema e que o meu tempo naquela cadeira estranha e curto e contado com a precisão do Big Ben.

- Ai, sabe, to com uma dor na lombar, menina.... (eu levianamente tentando argumentar pra que ela me desse alguma atenção)

- Oi? Que foi? Dor onde?
- Na lombar.
- Oi, fulana. Não, nada não. Tô com uma pessoa aqui na cadeira. Mas já já eu volto aqui nela. Pode continuar falando.

E a minha lombar dói até hoje.